shadow

SR N, DE NATURA

Perfumart - resenha do perfume Natura - Sr NLançada em 1979, a linha Natura SR N foi a primeira do mercado nacional, elaborada com o objetivo de oferecer produtos dirigidos ao cuidado e bem-estar do homem. A fragrância clássica e marcante dos produtos dessa linha conquistou o público masculino e levou a Natura a lançar, em 1981, o primeiro perfume da coleção.

A fragrância original foi criada por Jacques Villiger (perfumista da Firmenich) e possuía notas de bergamota, cassis, folhas verdes, gálbano, toranja, lima e limão, no topo da composição. Em seguida, o corpo trazia notas de Artemísia, cardamomo, flor de laranjeira, menta e lavanda, partindo em direção a uma base com madeiras, almíscar, patchouli, vetiver, cedro e baunilha.

Como sou nascido em 1978, não tive muito acesso à fragrância original durante a minha infância. Mas me lembro que quando o senti, já nos anos 90, me pareceu uma espécie de resposta à altura para fragrâncias importadas da época, como Polo (Ralph Lauren), Bogart Eau de Toilette (Jacques Bogart), etc. O perfume de SR N era forte, cheio de aspecto old school, com uma saída cítrica e uma evolução amadeirada, repleta de nuances de barbearia. Era um daqueles perfumes com o famoso “cheiro de homem”, que as mulheres tanto falam.

Tirando o fato de que SR N sufocava em dias muito quentes e possuía uma baita projeção, marcou uma geração e fez história, mantendo usuários fiéis até os dias de hoje. Porém, em 2007, sofreu uma reformulação e ganhou nova roupagem. Os perfumistas envolvidos foram Maria Tereza Belotti e Eurico Mazzini. Sua composição ficou mais enxuta e passou a ter as seguintes notas: limão, toranja e gálbano, no topo; Artemísia, lavanda e cardamomo, no corpo; vetiver, patchouli e baunilha, na base.

Como resultado, o clássico se modernizou e hoje não assusta mais. Senti a mesma coisa com relação à fragrância de Kriska, outro clássico da empresa. Agora, SR N toca na pele de forma cítrica e levemente frutada, evoluindo para um perfume mais verde e menos balsâmico. Na minha opinião, já pode ser usado em dias mais quentes sem medo. Em contrapartida, a imensa projeção de antes não existe mais. Esse movimento de fragrâncias que perdem a potência com o passar dos anos e as reformulações é o resultado de anos de pesquisa de mercado, ouvindo consumidores que reclamam de perfumes muito fortes, muito invasivos, etc. Infelizmente, não se pode agradar a todos e, por isso, muitos amantes da perfumaria vivem em busca dos bons perfumes vintage.

SR N ainda possui duração mediana e fragrância agradável. Seu sucesso trouxe, em 2008, seu primeiro flanker: SR N Citrus. De lá para cá, a linha recebeu várias edições limitadas, como SR N Couro, SR N Âmbar, SR N Cedro, SR N Sândalo e SR N Vetiver.

O frasco atual não possui mais aquele rótulo frontal e o nome vem gravado direto no vidro (vide foto). Também não há tampa e o spray é de rosca, trazendo uma trava de segurança embutida. Vale revisitar!


 

The following two tabs change content below.
Publicitário, amante da comunicação, blogueiro, apaixonado por fragrâncias e cosméticos em geral. É colecionador de perfumes, resenhista nacional e internacional, consultor particular de fragrâncias e dono de um grupo no Facebook voltado apenas para os homens. Criador e proprietário do Perfumart, site especializado em perfumaria.

Fique à vontade para deixar o seu comentário!

Translate »