shadow

Entrevista com a perfumista Cécile Zarokian (PT and EN languages).

Perfumart - Entrevista Cecile Zarokian testada mais clara

PortuguêsEnglish

Cécile Zarokian é, atualmente, um dos maiores nomes na indústria de fragrâncias, principalmente, no que diz respeito à perfumaria de nicho. Ela já criou inúmeros perfumes para grifes de prestígio no mercado internacional, tais como Amouage, Jovoy, Evodi, Jacques Fath, Puredistance, Laboratorio Olfattivo, MDCI, etc.

Cécile Zarokian se formou na ISIPCA e foi treinada, por quatro anos, na Robertet (inicialmente em Grasse, depois em Paris). Ela ainda era uma trainee quando criou sua primeira fragrância, Amouage Epic Woman.

Em 2011, Cécile decidiu fundar sua própria empresa – CECILE ZAROKIAN SARL – e montar seu laboratório em Paris para poder dedicar todo seu tempo e trabalhar, livremente, como perfumista independente.

Para minha surpresa, ela me avisou que viria ao Brasil e que gostaria de me conhecer. Com muita honra, fui ao seu encontro para uma conversa agradável e consegui esta pequena entrevista abaixo. Espero que gostem.

Obrigado Cécile! 💙 

Cécile Zarokian is one of the biggest names in the fragrance industry today, especially with regard to niche perfumery. She has already created numerous perfumes for prestigious brands in the international market, such as Amouage, Jovoy, Evodi, Jacques Fath, Puredistance, Laboratorio Olfattivo, MDCI, etc.

Cécile Zarokian graduated from ISIPCA and was trained for four years at Robertet (initially in Grasse, then in Paris). She was still a trainee when she created her first fragrance, Amouage Epic Woman.

In 2011, Cécile decided to start her own company – CECILE ZAROKIAN SARL – and to set up her laboratory in Paris, in order to be able to dedicate her entire time to working freely as an independent perfumer.

To my surprise, she informed me that she would come to Brazil and that she would like to meet me. With great honor, I went to meet her for a pleasant conversation and got this little interview below. I hope you guys like it.

Thank you, Cécile! 💙 

PortuguêsEnglish

Cassiano Silva: O que te traz ao Brasil?

Cécile Zarokian: Antes de tudo, é a minha primeira vez no Brasil e eu sempre ouvi muitas coisas boas sobre o País, especialmente sobre a indústria de fragrâncias. Gostaria de conhecer pessoas do ramo, fazer novos contatos profissionais e ver se é possível desenvolver novos negócios aqui, talvez com marcas/empresas locais, envolvendo minha empresa de perfumaria independente.

Cassiano Silva: Qual é o próximo passo? O que podemos esperar de você para 2019?

Cécile Zarokian: Teremos alguns lançamentos em 2019, mas eu não posso adiantar muito, pois as marcas precisam preparar os lançamentos e toda a questão de comunicação. O que venho trabalhando neste momento – e que já estão disponíveis no mercado – são as fragrâncias que criei para Jacques Fath (Fath Essentials Volume 1, além de duas fragrâncias para o Volume 3).

Cassiano Silva: Você criou sua própria empresa. Você pensa em lançar uma linha de perfumes da sua marca, por exemplo, Cécile Zarokian Nº1?

Cécile Zarokian: Na verdade, não. Eu sou a perfumista, mas eu não faço nada sozinha. Já conversei com meu sócio sobre o assunto, mas no momento ainda é algo difícil, por causa de várias questões. Lançar uma marca própria é um trabalho completamente diferente e requer mais tempo para conseguir ingressar no mercado, portanto, não é o plano no momento.   

Cassiano Silva: A ideia de montar sua própria empresa foi criar fragrâncias apenas para o mercado do Oriente Médio, como li no seu site?

Cécile Zarokian: Oh, não! Mas como eu comecei criando fragrâncias orientais (para a Amouage, por exemplo), foi um posicionamento na época. Mas o meu website irá mudar em breve, pois foi feito em 2011 e assim como eu evoluí, ele também precisa acompanhar essa minha evolução.

Cassiano Silva: Qual foi a fragrância mais difícil de finalizar?

Cécile Zarokian: Não há uma em particular, mas o que eu poderia dizer a esse respeito, pois senti uma pressão maior na entrega do resultado, por causa da responsabilidade, foi ao criar Green Water (Jacques Fath). Como não foi uma criação minha, mas um tributo à fragrância original (que foi muito icônica na época), o desafio foi maior. Cheguei a ir à Osmotheque para cheirar a versão clássica, pois queria que o resultado ficasse à altura em termos de qualidade.

Cassiano Silva: Qual é o ingrediente mais fácil (ou preferido) de trabalhar?

Cécile Zarokian: Eu não tenho um ingrediente favorito, pois tudo depende do que você pretende criar, do briefing, etc. Mas eu diria que a Fava Tonka é uma matéria com a qual eu realmente gosto de trabalhar.

Cassiano Silva: E qual é o mais difícil? Por quê? 

Cécile Zarokian: Não há ingredientes difíceis para se trabalhar. Eu diria que alguns necessitam maior atenção, pois requerem uma dosagem muito baixa e sozinhos não cheiram muito bem e, ainda por cima, são muito potentes.

Cassiano Silva: Você impõe alguma regra para a criação quando recebe um novo briefing?

Cécile Zarokian: Eu não costumo ter problemas, pois eu converso muito com meus clientes antes de iniciar um projeto e todos precisam estar na mesma sintonia e de acordo com todas as questões envolvidas.

Cassiano Silva: A perfumaria de nicho/indie ganhou maiores proporções com a ajuda de blogueiros e YouTubers. No entanto, ainda é um assunto pobremente divulgado porque muitas pessoas não entendem a raiz desse movimento. Como você vê o cenário de fragrâncias nos próximos anos?

Cécile Zarokian: O que aconteceu quando a perfumaria de nicho surgiu é bem diferente do que vemos agora, para algumas grifes. No início, era um mercado totalmente novo, no qual os profissionais queriam se manifestar e pensavam de forma diferente, focando na qualidade das fragrâncias acima de quaisquer outros quesitos. Infelizmente, como se tornou um segmento crescente, algumas pessoas viram uma boa oportunidade de rotular fragrâncias como “nicho”, comunicando que seriam diferentes de alguma forma e acabaram reproduzindo os mesmos erros que já existiam no mercado de massa e que faziam consumidores infelizes.
Atualmente, esse segmento já começa a se mostrar saturado, com muitas marcas novas, muitos lançamentos e já não é mais tão fácil se estabelecer e, sobretudo, permanecer por muito tempo. Em algum momento, por mais dinheiro que uma empresa possa ter, ela não vai conseguir sobreviver oferecendo algo que não seja relevante.

Cassiano Silva: Você fica chateada quando lê comentários duros sobre os perfumes que criou?

Cécile Zarokian: Em primeiro lugar, eu tive a sorte de nunca ter lido ou visto resenhas muito negativas sobre minhas criações. Em seguida, eu avalio quem publicou. Se a pessoa tem argumentos razoáveis sobre o assunto, tudo bem, mas se as críticas são irrelevantes ou pejorativas, eu procuro não levá-las em consideração, pois sei que não é possível agradar a todos.

Cassiano Silva: Se você tivesse que criar, como você descreveria uma fragrância que representa o Brasil para você?

Cécile Zarokian: Eu preciso conhecer mais sobre o Brasil pois, como eu disse, é a minha primeira vez aqui. Seria necessário fazer uma boa pesquisa, antes de tudo. Por exemplo, eu nunca imaginei encontrar tantos Frangipanis (plumeria) pelas ruas de São Paulo. Mas eu pensaria em algo luminoso, alegre…com frutas, é claro, porque estamos falando do Brasil, mas também poderia ser algo que lembrasse atividades relacionadas com o mar, usando sempre cores vibrantes, etc. 

Cassiano Silva: What brings you to Brazil?

Cécile Zarokian: First of all, it’s my first time in Brazil and I’ve always heard a lot of good things about the country, especially about the fragrance industry. I would like to meet people in the business, make new professional contacts and see if it is possible to develop new businesses here, maybe with local brands/companies, involving my independent perfume company.

Cassiano Silva: What is the next step? What can we expect from you for 2019?

Cécile Zarokian: We will have some releases in 2019, but I can not go much further, because the brands need to prepare the launches and the whole thing about communication. What I have been working on at the moment – and that is already available on the market – are the fragrances I created for Jacques Fath (Fath Essentials Volume 1, plus two fragrances for Volume 3).

Cassiano Silva: You’ve created your own company. Do you think about launching a line of perfumes of your brand, for example, Cécile Zarokian Nº1?

Cécile Zarokian: Not really. I am the perfumer, but I do not do anything by myself. I have already talked to my partner about it, but it is still difficult because of several issues. Launching a brand of your own is a completely different job and requires more time to get into the market, so it’s not the plan right now.

Cassiano Silva: The idea of setting up your own company was to create fragrances only for the Middle Eastern market, as I saw on your website?

Cécile Zarokian: Oh no! But as I started creating oriental fragrances (for Amouage, for example), it was a positioning at the time. But my website will change soon because it was made in 2011 and as I evolved, it also needs to keep up with my evolution.

Cassiano Silva: What was the most difficult fragrance to finish?

Cécile Zarokian: There is not one in particular, but what I could say about it, as I felt a greater pressure on the delivery of the result because of responsibility, was in creating Green Water (Jacques Fath). As it was not my creation, but a tribute to the original fragrance (which was very iconic at the time), the challenge was greater. I even went to Osmotheque to smell the classic version, because I wanted the result to be very good in terms of quality.

Cassiano Silva: What is the easiest (or preferred) ingredient to work with?

Cécile Zarokian: I do not have a favorite ingredient because it all depends on what you intend to create, the briefing, etc. But I would say Tonka Bean is something I really enjoy working with.

Cassiano Silva: And which one is the most difficult? Why?

Cécile Zarokian: There are no hard ingredients to work with. I would say that some need more attention because they require a very low dosage and alone they do not smell very well and, on top of that, they are very powerful.

Cassiano Silva: Do you impose any rule for creation when you receive a new briefing?

Cécile Zarokian: I don’t usually have problems because I talk a lot with my clients before starting a project and everyone needs to be on the same page and according to all the aspects involved.

Cassiano Silva: The niche/indie perfumery has gained greater proportions with the help of bloggers and YouTubers. However, it is still a poorly publicized subject because many people do not understand the root of this movement. How do you see the fragrance scenario in the next years?

Cécile Zarokian: What happened when the niche perfumery came is quite different from what we see now, for some brands. In the beginning, it was an entirely new market, in which the professionals wanted to make a statement and they thought differently, focusing on the quality of the fragrances above any other requirements. Unfortunately, as it became a growing segment, some people saw a good opportunity to label fragrances as “niche”, communicating that they would be different in some way and ended up reproducing the same mistakes that already existed in the mass market and that made consumers unhappy.
Currently, this segment is already beginning to show saturation, with many new brands, many launches and is no longer so easy to settle down and, above all, to stay for a long time. At some point, no matter how much money a company may have, it will not be able to survive by offering something that is not relevant.

Cassiano Silva: Do you get upset when you read harsh reviews of the perfumes you created?

Cécile Zarokian: First of all, I am lucky to never have read or seen very negative reviews about my creations. Then, I evaluate who published it. If the person has reasonable arguments on the subject, that’s okay, but if the criticism is irrelevant or pejorative, I try not to take them into account, because I know that it is not possible to please everyone.

Cassiano Silva: If you had to create, how would you describe a fragrance that represents Brazil for you?

Cécile Zarokian: I need to know more about Brazil because, as I said, it’s my first time here. It would be necessary to do good research, first of all. For example, I never imagined finding so many Frangipanis (plumeria) in the streets of São Paulo. But I would think of something bright, joyful…with fruits, of course, because we are talking about Brazil, but it could also be something that reminds of activities related to the sea, always using vibrant colors, etc.


 

The following two tabs change content below.
Publicitário, amante da comunicação, blogueiro, apaixonado por fragrâncias e cosméticos em geral. É colecionador de perfumes, crítico de fragrâncias nacionais e internacionais, consultor particular de estilo em perfumaria e dono de um grupo no Facebook voltado apenas para os homens. Criador e proprietário do Perfumart, portal especializado em perfumaria.

Fique à vontade para deixar o seu comentário!

Translate »