shadow

COLONIAL CLUB, DE JEANNE ARTHES 

Perfumart - resenha do perfume Jeanne Arthes - Colonial ClubEste faz, completamente, o meu estilo de perfume. Quando resolvi fazer o teste real, apliquei-o por volta das 9h da manhã para trabalhar e, só para constar, o perfume ainda estava na minha pele por volta das 19h, sem ter sido reaplicado.

A fixação é excelente, mas a projeção é baixa…exala bem durante umas 3 horas e depois fica mais rente à pele. De toda forma, cada pele reage de uma maneira diferente e, pode ser que em outros homens ele exale muito bem e fixe por menos tempo. Ou, ainda, pode ser aquela velha história de achar que o perfume não está mais exalando, mas ele está lá, só que você está tendo uma crise de “cansaço olfativo”.

Sobre o perfume: notas de saída de limão, laranja, lavanda e menta; notas de coração: mescla frutada e jasmim; notas de fundo: patchouli, baunilha e cedro.

Na minha pele, a saída é levemente alaranjada com um toque de menta. Mas a tal “mescla frutada” é bem forte e o jasmim, que é uma das minhas notas prediletas (bem como canela e a baunilha), são evidentes e deliciosos. Por fim, a baunilha dá um toque quente e adocicado ao perfume com o restinho do cedro fechando a fragrância de forma muito discreta. Você fecha os olhos e percebe que não é a baunilha que encerra o aroma…ela dá o toque cremoso e adocicado durante toda a evolução, mas é o cedro que dá o corte final, ao abrirmos os olhos e voltarmos pro “mundo real”.

O mais bacana deste perfume, por ser considerado de “2ª linha” – embora criação de Jeanne Arthes, que já é uma marca conceituada e reconhecida pelos principais sites que abordam o assunto – é que ele não me lembra nenhum outro mais famoso. Ou seja, me parece ser criação própria da casa, o que o torna ainda mais especial. E olha que eu conheço muitos perfumes e tenho uma excelente memória olfativa! Mas este é, realmente, um mistério. Para não dizer que eu não tentei fazer nenhuma ligação na minha cabeça, eu diria que ele é uma mistura de Individuel (Montblanc) com Uppercut (Everlast). Mas, ainda assim, não me parece cópia de nenhum perfume já existente.

*imagem: reprodução


The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: