shadow

ORISSIMA, DE TED LAPIDUS

Perfumart - resenha do perfume Ted Lapidus - Orissima

O perfume Orissima foi lançado em 2016 e teve, como conceito criativo, representar a graça da mulher parisiense, através de uma fragrância que presta homenagem à Paris.

Na época do lançamento, a perfumista Alexandra Monet disse: “Eu concebi essa fragrância como uma ode à mulher parisiense. A ideia era pintar uma mulher multifacetada através dos sentidos”

O frasco, criado por Marc Touati, combina formas geométricas interligadas, na qual a base é um quadrado e o topo um octógono. Ele foi inspirado na arquitetura da cidade, representando as diferentes facetas dessa mulher sofisticada.

Orissima possui notas de pêssego, toranja e folhas de bambu, que abrem caminho para notas de flor de laranjeira, íris e peônia e partem para um fundo mais doce, com notas de caramelo, almíscar e patchouli. É um perfume classificado como chipre-floral e segue o estilo dos chipres da última década, que deixaram de lado o aspecto datado e quase azedo que as fragrâncias desse grupo costumavam trazer, graças às notas de bergamota e musgo. Agora, esse tipo de perfume continua fazendo o contraste entre notas frias e quentes, mas se modernizou. Para muitos, o novo chipre deixou de lado a qualidade e o estilo tradicional. Para a indústria, representou uma mudança que tinha que acontecer, mais cedo ou mais tarde.

Na minha opinião, perfumes dessa família olfativa costumam transmitir elegância sem extravagância. É o chique em suas diversas formas: às vezes intenso, outras delicado. No caso de Orissima, acho que há uma multiplicação de categorias em uma única fragrância: é chipre, mas também é floral, frutado e quase gourmand.

A saída é suculenta e sensual. A toranja e o pêssego formam um néctar frutado, que conquista e garante aquilo que chamamos de venda imediata. Em seguida, Orissima traz uma luminosidade floral, cheia de nuances frescas. E para quem se assusta ao saber da presença da nota de íris, pode relaxar, pois é quase imperceptível.

Com o passar do tempo, o caramelo surge e se mostra como o real segredo da fragrância, conferindo um ar mais jovial e viciante. E mesmo posto ao lado do patchouli, não foi trabalhado para trazer aquele cheiro doce de açúcar queimado, tão comum nos perfumes femininos mais recentes.

Por um lado, acho que o caramelo acabou com a elegância da fragrância e trouxe uma faceta adolescente, totalmente desnecessária. Por outro lado, acho que agregou uma certa versatilidade e, sem dúvidas, ampliou a duração na pele. Ainda que pareça contraditório, a vantagem é que perde potência em pouco tempo, ficando mais rente à pele e exalando sensualidade, sem enjoar quem usa. A fixação é digna da marca e dura mais de oito horas, embora eu incentive uma reaplicação no meio da jornada, porque a saída é deliciosa!

No final das contas, Orissima parece agregar os valores que as demais grifes tentam, através de inúmeros flankers, todos os anos. É o chipre, para quem nunca entendeu os chipres; é o gourmand, para quem nunca gostou de perfumes doces. Sugiro experimentar!


 

The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

3 comments on “ORISSIMA, DE TED LAPIDUS

    • Oi Renata! A definição de chique é subjetiva. E só quem sabe se vale a pena ou não comprar, no final das contas, é você. 😉

  1. Que bela resenha! Parabéns. Estou sempre por aqui acompanhando tudo de perto. Grande abraço Cassiano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *