shadow

NILANG, DE LALIQUE (2011)

Perfumart - resenha do perfume Lalique - Nilang 2011Nilang foi, originalmente, lançado em 1995 e sua inspiração foi a flor de lótus, que é uma flor aquática considerada sagrada, muito ligada à imagem de Buda e cujo significado é pureza espiritual. Seu rico simbolismo evoca significados poderosos em culturas diversas e a Lalique pensou em representar este conceito através de uma fragrância oriental e floral. Na versão vintage, o frasco representava a própria flor de lótus.

Em 2011, quase vinte anos depois, o mercado encontrava-se diferente e os fabricantes de perfumes estavam de olho em cortejar, com todos os seus esforços, o mercado Asiático e os países do Oriente Médio. Não é à toa que inúmeras empresas de perfumes de massa começaram a lançar coleções exclusivas apenas para tais locais.

Com esse foco, em 2011 a Lalique relançou Nilang em duas versões: uma nova Eau de Parfum e uma Extrait de Parfum, com frasco feito em cristal, trazendo as flores no topo e decoradas com ouro. Um luxo!

Esta resenha trata da versão EDP de 2011, cujo frasco é esse da foto acima. A composição também mudou um pouco: a versão vintage trazia o poder floral no topo, a flor de lótus no corpo e uma base mais gourmand, com baunilha e pralinê. Por isso, é possível encontrar várias resenhas comentando sobre sua similaridade com alguns perfumes da linha Angel (Thierry Mugler). Nesta versão de 2011, a flor de lótus chega na frente, junto com varias frutas. O buquê floral passou para o corpo da fragrância e a base ficou menos doce. Já a versão Extrait de Parfum conta ainda com notas exuberantes de tuberosa e rosa.

Vamos à composição: flor de lótus, pêssego, mandarina e melão, na saída; Frésia, jasmim d’água, cravo e mirtilos, no corpo; Sândalo, âmbar, baunilha, almíscar, pralinê e um toque de patchouli, no fundo.

Nilang é uma bomba frutal e floral, do tipo que eu não sentia há muito tempo, principalmente, em perfumes lançados na última década. É muito comum vermos fragrâncias femininas mais potentes das famílias chipre e gourmand. As frutais costumam ser mais diurnas e leves. Mas Nilang vai contra tudo isso e é estonteante.

Na primeira vez que testei, imediatamente pensei: “pêssego, pêssego e mais pêssego”. Quando toca a pele, a nuance de pêssego é suculenta e balanceada pelo teor aquático da flor de lótus e do melão. Podia dar tudo errado, mas é perfeito. Então, conforme vai evoluindo, nuances florais de jasmim e frésia se mostram mais presentes e conferem um teor “aveludado” ao perfume.

A projeção é absurda e a evolução é lenta. Quando a gente pensa que não está mais exalando, vem a surpresa: a base se mostra densa e mais amadeirada do que adocicada. Na minha pele, por vezes, me transmite o cheiro de madeira úmida. E para melhorar, possui duração de mais de dez horas.

Sem dúvida, Nilang é uma pedra preciosa em meio aos cristais de Lalique.


 

The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: