shadow

EAU SAUVAGE FRAICHEUR CUIR, DE DIOR

Perfumart - resenha do perfume Dior - Eau Sauvage CuirEm 2007, o perfumista interino da casa Dior – François Demachy – resolveu lançar esta versão mais fresca e com a presença do couro, a fim de dar continuidade ao sucesso da versão original (1966), que foi seguida por uma versão Extreme (1984). Nascia Eau Sauvage Fraicheur Cuir. 

Embora possua o DNA da versão original, com nuances cítricas e refinadas, esta fragrância está longe de ser tão complexa e potente quanto a outra.

O nome significa “o frescor do couro” (como assim?) e a composição traz notas de limão Siciliano, na saída; Cedro e hedione (substância sintética de acentuado frescor), no coração; Âmbar e couro, na base.

Particularmente, embora eu seja fã da versão original (que já foi reformulada, mas continua excelente) e reconheça o seu poder e conceito, chego até a gostar mais desta versão com um toque de couro, porque eu a sinto um pouco menos datada. Porém, infelizmente, não ultrapassa muito mais do que três horas na minha pele, o que acho um absurdo, por se tratar de um produto caro e de procedência Dior.

Tirando a deliciosa fragrância, o único ponto positivo para quem tem um frasco de Eau Sauvage Fraicheur Cuir é o quesito exclusividade, já que se trata de uma edição limitada. Fora isso, acho que foi a primeira vez me decepcionei com uma fragrância da casa Dior.


The following two tabs change content below.
Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Fique à vontade para deixar o seu comentário!