shadow

EAU SAUVAGE FRAICHEUR CUIR, DE DIOR

Perfumart - resenha do perfume Dior - Eau Sauvage CuirEm 2007, o perfumista interino da casa Dior – François Demachy – resolveu lançar esta versão mais fresca e com a presença do couro, a fim de dar continuidade ao sucesso da versão original (1966), que foi seguida por uma versão Extreme (1984). Nascia Eau Sauvage Fraicheur Cuir. 

Embora possua o DNA da versão original, com nuances cítricas e refinadas, esta fragrância está longe de ser tão complexa e potente quanto a outra.

O nome significa “o frescor do couro” (como assim?) e a composição traz notas de limão Siciliano, na saída; Cedro e hedione (substância sintética de acentuado frescor), no coração; Âmbar e couro, na base.

Particularmente, embora eu seja fã da versão original (que já foi reformulada, mas continua excelente) e reconheça o seu poder e conceito, chego até a gostar mais desta versão com um toque de couro, porque eu a sinto um pouco menos datada. Porém, infelizmente, não ultrapassa muito mais do que três horas na minha pele, o que acho um absurdo, por se tratar de um produto caro e de procedência Dior.

Tirando a deliciosa fragrância, o único ponto positivo para quem tem um frasco de Eau Sauvage Fraicheur Cuir é o quesito exclusividade, já que se trata de uma edição limitada. Fora isso, acho que foi a primeira vez me decepcionei com uma fragrância da casa Dior.


The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: