shadow

POLO RED RUSH FOR MEN, DE RALPH LAUREN

Perfumart - resenha do perfume Ralph Lauren - Polo Red Rush

Polo Red Rush despontou no mercado brasileiro no último mês, com um super evento de lançamento que contou, inclusive, com a presença do ator Ansel Elgort, que foi o rosto da campanha publicitária. Se trata do terceiro flanker da linha, dando continuidade à história iniciada com o lançamento da versão EDT, em 2013, seguida pela versão Intense, em 2015 e pela versão Extreme, em 2017. Mas vale lembrar que seu lançamento no mercado internacional ocorreu em 2018, embora estejamos em meados de 2019.

A fragrância respeita o DNA da linha, ao manter as notas de toranja, limão, açafrão, lavanda e café e o resultado traz a semelhança em diversos momentos. Porém, a necessidade de conferir um aspecto mais diurno e vibrante fez com que a composição ganhasse notas de menta, mandarina vermelha e abacaxi. Na página oficial da grife, na internet, a composição segue da seguinte forma: mandarina vermelha, limão, toranja e abacaxi, na saída; Açafrão vermelho, absoluto de flor de laranjeira, menta do tipo Spicata, acorde de maçã vermelha e lavanda, no corpo; Acorde de café vermelho, almíscar e cedro, na base.

Na pele, a fragrância de Polo Red Rush parece um pouco desorganizada, mas é aquela falta de organização com a qual muitas pessoas convivem, tranquilamente, e sempre acham o que precisam, se é que vocês me entendem. A saída é muito bacana e suculenta, ao ponto de ser frisante e energética. Ponto positivo para a mandarina vermelha, que só fez somar com a saída frutada já conhecida nas demais fragrâncias da linha.

Em poucos minutos, a menta também se faz notar com bastante evidência, reforçando o frescor e o aspecto diurno que, na minha opinião, foi um dos principais objetivos (se não o principal) desta criação. Entretanto, é nesse mesmo momento que sinto um combate entre os acordes e algo parece sair do controle. O frescor inicial começa a disputar espaço com o adocicado frutal da maçã e do abacaxi, trazendo uma sensação de evolução ruim, como se a fragrância pulasse, em questão de minutos, do dia para a noite. É como se você começasse o dia usando uma fragrância fresca e, de repente, percebesse que ela era boa mesmo para a balada.

Sinto falta da faceta azedinha-doce do cranberry e da nuance do café, mais perceptível nas versões anteriores. Além disso, estamos falando de cinco anos de diferença (desde a versão original) em um mercado que apresenta novidades todas as semanas. E nesse aspecto, inserir o abacaxi foi um tanto quanto retrógrado, para não dizer desnecessário, pois é um ingrediente que já foi muito usado em outras fragrâncias, inclusive, de marcas concorrentes.

A boa notícia para quem busca performance e elogios é que Polo Red Rush me rendeu algumas perguntas curiosas de enaltecimento sobre qual perfume eu estava usando, não apenas uma vez, mas em quase todas as vezes que usei. E diferente do que já li por aí, não achei decepcionante em termos de durabilidade. Muito pelo contrário! Ainda é possível sentir o cheiro no final do dia, mesmo rente à pele, e na hora do banho, com o calor da água.

O frasco manteve a identidade visual, mas ganhou uma roupagem esportiva, explorando as cores prata e vermelho. Também vale registrar que o spray é macio e borrifa uma espuma suave sobre a pele.

Para encerrar, posso dizer que considero Polo Red Rush agradável, mas me parece ter sido lançado muito tempo depois do que deveria, perdendo o momento desse segmento, que veio com tudo em 2016.


 

The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: