shadow

SR N, DE NATURA

Perfumart - resenha do perfume Natura - Sr NLançada em 1979, a linha Natura SR N foi a primeira do mercado nacional, elaborada com o objetivo de oferecer produtos dirigidos ao cuidado e bem-estar do homem. A fragrância clássica e marcante dos produtos dessa linha conquistou o público masculino e levou a Natura a lançar, em 1981, o primeiro perfume da coleção.

A fragrância original foi criada por Jacques Villiger (perfumista da Firmenich) e possuía notas de bergamota, cassis, folhas verdes, gálbano, toranja, lima e limão, no topo da composição. Em seguida, o corpo trazia notas de Artemísia, cardamomo, flor de laranjeira, menta e lavanda, partindo em direção a uma base com madeiras, almíscar, patchouli, vetiver, cedro e baunilha.

Como sou nascido em 1978, não tive muito acesso à fragrância original durante a minha infância. Mas me lembro que quando o senti, já nos anos 90, me pareceu uma espécie de resposta à altura para fragrâncias importadas da época, como Polo (Ralph Lauren), Bogart Eau de Toilette (Jacques Bogart), etc. O perfume de SR N era forte, cheio de aspecto old school, com uma saída cítrica e uma evolução amadeirada, repleta de nuances de barbearia. Era um daqueles perfumes com o famoso “cheiro de homem”, que as mulheres tanto falam.

Tirando o fato de que SR N sufocava em dias muito quentes e possuía uma baita projeção, marcou uma geração e fez história, mantendo usuários fiéis até os dias de hoje. Porém, em 2007, sofreu uma reformulação e ganhou nova roupagem. Os perfumistas envolvidos foram Maria Tereza Belotti e Eurico Mazzini. Sua composição ficou mais enxuta e passou a ter as seguintes notas: limão, toranja e gálbano, no topo; Artemísia, lavanda e cardamomo, no corpo; vetiver, patchouli e baunilha, na base.

Como resultado, o clássico se modernizou e hoje não assusta mais. Senti a mesma coisa com relação à fragrância de Kriska, outro clássico da empresa. Agora, SR N toca na pele de forma cítrica e levemente frutada, evoluindo para um perfume mais verde e menos balsâmico. Na minha opinião, já pode ser usado em dias mais quentes sem medo. Em contrapartida, a imensa projeção de antes não existe mais. Esse movimento de fragrâncias que perdem a potência com o passar dos anos e as reformulações é o resultado de anos de pesquisa de mercado, ouvindo consumidores que reclamam de perfumes muito fortes, muito invasivos, etc. Infelizmente, não se pode agradar a todos e, por isso, muitos amantes da perfumaria vivem em busca dos bons perfumes vintage.

SR N ainda possui duração mediana e fragrância agradável. Seu sucesso trouxe, em 2008, seu primeiro flanker: SR N Citrus. De lá para cá, a linha recebeu várias edições limitadas, como SR N Couro, SR N Âmbar, SR N Cedro, SR N Sândalo e SR N Vetiver.

O frasco atual não possui mais aquele rótulo frontal e o nome vem gravado direto no vidro (vide foto). Também não há tampa e o spray é de rosca, trazendo uma trava de segurança embutida. Vale revisitar!


 

The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

3 comments on “SR N, DE NATURA

  1. rafael

    cara eu uso a mais que 20 anos, mais hoje uso so o desodorante, pois o perfume mesmo mudou muito e nao tem mais nada haver com o srn . uma pena

  2. Ana Lucília Trindade

    Amei esse perfume! Mesmo não sendo exatamente compartilhável, é pecado( rsrs) se eu usar??

    • Claro que não! Pecado é gostar e se prender aos rótulos de venda do mercado.

Fique à vontade para deixar o seu comentário!