shadow

611 EXTREMO, DE GIOVANNA ANTONELLI

Perfumart - resenha do perfume Giovanna Antonelli - 611 Extremo

A fragrância de 611 Extremo teve, como inspiração, uma caminhada pelo Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. A perfumista responsável foi Cécile Matton, que já esteve envolvida com diversas criações para grifes de peso internacional, como Lalique, Giorgio Armani, Etat Libre d’Orange, Viktor&Rolf, etc. O nome (cada fragrância traz um número na frente) não tem um conceito estabelecido, a não ser pelo fato de que uma das exigências foi a utilização do 11, que possui grande significado pessoal para Giovanna. 

O perfume 611 Extremo é classificado, pelo fabricante, como floral-oriental ou, como a indústria vem chamando nos últimos anos, “floriental”. Possui notas de bergamota, pera e ruibarbo, encabeçando a composição e trazendo um corpo opulento de tuberosa, jasmim do Egito e espinheiro-alvar (ou espinheiro-branco). Na base, foram combinadas notas de íris, benjoim, baunilha e alcaçuz.

Na pele, a fragrância de 611 Extremo é mais mutante do que a de 411 Intenso. E isso é ótimo! Aliás, a fragrância surpreende por fazer lembrar vários pedaços de outros perfumes e concentrá-los em uma mesma composição.

Você gosta de tuberosa? Então vai gostar deste perfume. Você não gosta de tuberosa? Não tem problema! E eu explico o porquê.

Apesar de ser fã de perfumes com nota de ruibarbo, aqui tal nota não se sobressai. A saída é dominada pela nota de pera, que traz a mesma nuance de pera de outras fragrâncias atuais como, por exemplo, aquela do Black Opium EDT (YSL). Então, o corpo floral traz uma deliciosa tuberosa, que chega de mãos dadas com o forte lado indólico do jasmim e domina a evolução, quase que por completo. É nesta fase que os (as) fãs de perfumes como Central Park West (Bond No.9), Terracotta Le Parfum (Guerlain) e Carnal Flower (Frederic Malle) irão se identificar com 611 Extremo. No entanto, a tuberosa não é tão voluptuosa ao ponto de incomodar os que não suportam seu cheiro. E isso ocorre porque a perfumista, criadora de fragrâncias florais e cheias de nuances orientais e gourmands, soube balancear o aspecto floral com uma base mais adocicada, sem ser excessivamente doce. A baunilha e o benjoim são mergulhados em uma espécie de licor de anis, que corta a doçura e se funde à íris, levemente pulverulenta, mas sem aquele cheiro de maquiagem.

611 Extremo é um perfume que engana os sentidos e faz você pensar em notas de coco e de ylang-ylang por diversos momentos. A minha única ressalva seria uma limitação que pode ocorrer em locais de muito calor, como o próprio Rio de Janeiro (local de inspiração), que possui temperaturas acima dos 40ºC durante o verão. Além disso, o público masculino pode vir a ficar receoso de usar esse tipo de fragrância, principalmente o brasileiro, mais acostumado com perfumes aromáticos e oceânicos e criado com a lenda de que perfume masculino “tem que ser amadeirado”. Mas para quem já ultrapassou essa barreira de gêneros e gosta de se aventurar no universo das fragrâncias de nicho, é um prato cheio.

Vale dizer que exala e fixa muito bem (embora tenha me causado um pouco de cansaço olfativo) e possui a mesma apresentação dos demais, com aquela caixa branca e etiqueta dourada, em homenagem ao Teatro Municipal, no Rio de Janeiro.


 

The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: