shadow

TANAGRA, DE MAISON VIOLET

Perfumart - resenha do perfume Violet - TanagraTanagra é o nome dado às antigas estatuetas feitas de terracota e criadas pelos gregos para reproduzirem a beleza de mulheres e crianças. O perfume foi criado, originalmente, em 1922. Seu frasco trazia uma pequena estatueta como tampa e era decorado com uma faixa grega. Foi desenhado por Lucien Gaillard, assim como aconteceu com Pourpre d’Automne.

A nova versão foi lançada em 25 de novembro de 2018 e contou, mais uma vez, com o talento da perfumista Nathalie Lorson (que também assina as outras três fragrâncias de relançamento). Sua composição lista notas de mandarina, pera e frésia, abrindo caminho para um corpo floral de jasmim, rosa, íris e peônia, sobre uma base de vetiver, cedro e cashmeran almiscarado.

Tanagra é um tributo à beleza e, sobretudo, à feminilidade. Respeita as tradições da Maison Violet e, em razão de seu lançamento, 20% da renda obtida com as vendas é repassada para a associação Solidarité Femmes, já que o dia 25 de novembro é considerado o Dia Internacional da Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

O conceito de uma fragrância suave, que traduz a sensação de uma segunda pele, foi trabalhado pela perfumista através das nuances polvorosas da íris, da sofisticação da caxemira e da beleza da rosa.

Quando toca a pele, Tanagra parece não respeitar a ordem da composição e a íris se apresenta com toda potência que lhe é peculiar, com seus tons secos e que, muitas vezes, lembram o cheiro de maquiagem. Só então, um leve aroma de pera surge, ao mesmo tempo em que a saída atalcada diminui. E lá vem a mandarina, trazendo suculência cítrica e puxando as nuances de jasmim, levemente adocicadas, para o centro das atenções. Temos, aqui, um floral-frutado.

A evolução continua suave e sutil, até que o lado terroso do vetiver começa a se tornar mais presente e nos mostra uma outra faceta de Tanagra, cheia de flores e madeiras. Sinto o perfume da peônia e parece que um caixote de transportar flores pegou chuva e a madeira ainda está úmida. Então, passamos a ter um floral-amadeirado.

Tanagra é, sobretudo, cheio de ternura. É um perfume refinado e intimista, que me revela uma força disfarçada de fragilidade. É perfeito para quem gosta de experimentar fragrâncias feitas com íris e, embora preste homenagem às mulheres, pode ser usado por homens sem grandes problemas. A duração é muito boa e a fragrância é bastante balanceada, o que resulta em uma certa versatilidade, embora eu tenha gostado mais de usá-la em dias chuvosos e mais frescos.

Como dizem na Maison Violet: “Se a beleza existe apenas na diversidade, sua fragrância pode se orgulhar de ser única”.


The following two tabs change content below.
𝘽𝙤𝙧𝙧𝙞𝙛𝙖𝙣𝙙𝙤 𝙘𝙤𝙣𝙝𝙚𝙘𝙞𝙢𝙚𝙣𝙩𝙤 𝙝𝙖́ 𝙖𝙣𝙤𝙨. Crítico de fragrâncias, jurado de premiações nacionais nas categorias de perfumaria fina e cosméticos masculinos, além de consultor particular de estilo em fragrâncias e criador do Perfumart, blog especializado no assunto.

Fique à vontade para deixar o seu comentário!